É possível contar uma nova história do Brasil?

por Edgard Leite, Diretor do Instituto Realitas


É possível contar uma nova história do Brasil?


Uma história que nos permita entende-lo e não estar apenas contra ele?


Acreditamos que sim.


Mas, para isso, é necessário que superemos a ideia de que a história é apenas conflito e que reconstruir o passado é reconstruir a história das desconfianças.


Na verdade a história é, também, a história da confiança, da necessidade dos seres humanos em atuar juntos, em estabelecer, com o próximo, elos que transcendam as diferenças.


Não são, as ações humanas, apenas atos de interesse material, mas também movimentos de gratificação existencial e espiritual.


Sem considerar essa dimensão do mundo, fazemos uma história que não é de humanos, mas de seres inexistentes. Seres sem dúvidas, angústias, particularidades, personalidades e sem uma inclinação para a busca da Eternidade.


É uma história de rochas, não de formas vivas. Formas vivas que buscam resolver o dilema posto pela inevitabilidade da morte.


A história é, também, a história do movimento humano de tomar boas decisões.


A recusa da realidade do mundo é apenas uma possível decisão a ser tomada na vida. A violência, o ressentimento e o ódio são sentimentos que sempre serão superados pela ternura, perdão e amor.


E não haverá existência sem essa superação.


As boas decisões são as decisões que constróem a história, estruturam as boas causas. Não se pode elaborar uma história sem dar a devida dimensão aos valores.


Valores que agreguem, que estimulem o encontro harmonioso do ser com outro ser, do ser com o mundo.


E deve-se considerar que, principalmente na história, existe um mistério diante do qual nossa tentativa de entendimento se torna frágil.


O mistério da própria existência, o mistério da vida, o mistério do extraordinário.

Sem ter esse mistério em mente, tudo que falamos sobre história é vento, vaidade, arrogância.


Podemos fazer uma nova história do Brasil sim, desde que essa história expresse a natureza paradoxal do ser humano.


Que não nos coloque contra ele, ou contra nossa história. Porque assim nos colocamos contra nós mesmos. Destruímos nossa sociedade mas, principalmente, destruímos a nossa complexa identidade. Nada seremos.


É preciso uma história que nos coloque a favor da vida, sua realidade, profundidade e mistério.


Na qual nos identifiquemos.

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo